A vivência de um namoro santo

Viver um namoro santo é viver a liberdade concedida pela presença de Deus.

Original em: http://www.comunidaderecado.com/textosformativos.asp?idTF=292

Diante de um mundo, ou de uma sociedade individualista e hedonista, os valores dos nossos relacionamentos se tornaram deturpados, diante daquilo para o qual foram criados para ser. Vemos em nosso meio, relacionamentos que se tornaram apenas “aprisionamentos”: Casamentos se desfazendo, amizades sem comprometimento, namoros relâmpagos, ninguém é de ninguém… Enfim, coisas valiosas que para nós, estão perdendo o seu sentido. Desde o inicio de seu pontificado, uma grande preocupação do papa Bento XVI é também um desafio para os dias de hoje: a ditadura do relativismo, onde o valor do “absoluto” já não existe: tudo é relativo, tudo depende do ponto de vista, tudo depende da maneira como se é abordado. Enfim, essas são afirmações que, perigosamente vem se infiltrando na nossa vida, na nossa maneira de pensar e nos nossos relacionamentos. Até mesmo as coisas boas da vida estão sendo atacadas por essa ditadura, como o namoro.

O namoro é para nós cristãos um momento abençoado por Deus para, através dele, conhecermos alguém, amarmos, partilharmos, crescermos juntos, sermos suporte, força e para a preparação de um futuro matrimônio… Enfim, um momento abençoado por Deus que vem perdendo seu sentido através de relacionamentos desordenados, promíscuos, sem nenhum compromisso, sem respeito mútuo, sem crescimento, e principalmente, sendo encarado somente e infelizmente, como uma parceria sexual fixa. Sem nenhuma aspiração para o futuro… Certamente, não é esse o plano de Deus para um namoro cristão, para um namoro santo.

Diante deste relativismo, Deus que é Absoluto, quer e deve ocupar o centro, ser o sentido entre duas pessoas que desejam viver este tempo maravilhoso que é o namoro. Não quero correr o risco de limitar este texto somente citando apenas um “namoro santo” no sentido da castidade e da sexualidade. Quero ir além, instigar o desejo de fazer com que existam namoros onde o Santo dos Santos possa habitar. Esse deve ser o sentido de um namoro santo, não somente pela postura do casal, mas um namoro santo porque Aquele que É Santo habita em seu meio. A postura do casal será apenas um fruto dessa presença mística.

Os sinais de que Deus habita em um namoro são facilmente perceptíveis. Para isto, basta confrontar o nosso namoro com o que disse Jesus no sermão da montanha: “Bem-aventurados os que têm um coração de pobre, os mansos, os que buscam a justiça, os misericordiosos, os puros de coração, os pacíficos, aqueles que são fiéis à Palavra, aqueles que respeitam o próximo, que não são vingativos, que não pagam o mal com o mal, aqueles que não lançam olhares de cobiça contra a mulher (homem) do (a) próximo (a), aqueles que são fiéis, aqueles que não julgam, que sabem confiar em Deus, enfim, aqueles que lutam para confiar inteiramente em Deus (citação livre do sermão da montanha, cf. MT. 5-7)”.

Parece grande a lista, porém, como citei anteriormente, estas são condutas que na verdade são frutos do senhorio de Jesus. Quando o namoro está sob seu senhorio, todos os seus mandamentos são inspirados e Ele mesmo nos dá força e motivação para segui-los.
Como dizia Santo Agostinho: “Concede-me o que me pedes e pedes o que quiseres”. Se Deus nos pede pureza de coração, Ele mesmo nos dá essa pureza; se Ele nos pede castidade, Ele mesmo nos concede a graça de assim vivermos, e assim por diante. Logicamente, isso não deve ser vivido com uma atitude passiva, esperando que somente Deus faça tudo, é necessária a ação de nossa parte. Clamar que Deus tome o centro e seja o Senhor do nosso namoro e o esforço em cumprir tudo o que ele nos pede com a sua Graça.

Enfim, a vivência de um namoro santo é muito mais do que somente viver a castidade, a continência. É viver a liberdade concedida pela presença de Deus. É poder desfrutar da presença dAquele que é a Fonte de toda alegria e satisfação.
A vivência de um namoro santo é um grande canal por onde Deus pode curar a nossa humanidade ferida, nos revelar quem realmente somos, atingir o nosso coração. Viver um namoro santo, é permitir que Deus nos use para falar com o outro, e ter a possibilidade de ouvir a Deus através do outro. É ter o respeito mútuo sabendo que ambos são templos de Deus, se são templos de Deus, são chamados a serem santos e, se os dois forem santos, terão a graça de experimentar a vivência de um namoro santo.

São Valentim, padroeiro dos namorados, Rogai por nós!

Anúncios

Sobre runnermarcos

Consagrado na Comunidade Missionária Católica Recado, corredor amador, estudante e trabalhador
Esse post foi publicado em Moral e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s